PRODUTORES DE ALGODÃO DO MARANHÃO SE REUNEM EM LIVERPOOL

amapaO evento que aconteceu em Liverpool na Inglaterra e reuniu representantes de produtores, comerciantes, corretores e representantes da indústria têxtil de todo o mundo. Estiveram juntos tanto quem produz o algodão quanto aquele que consome esse algodão em outro país, além das pessoas que fazem a articulação comercial do algodão.

 Na feira de negócios do algodão foram realizadas palestras sobre o cenário atual do produto e o consumo de algodão nos próximos anos. Assunto sobre o que se espera nas próximas safras também foram abordados.

A tendência de mercado para o algodão nos próximos anos foi um dos assuntos mais debatidos durante o encontro. A equipe brasileira fez questão de ouvir opiniões de outros países sobre o algodão brasileiro e como criar oportunidades de negócio para o produto.

 Uma das novidades foi o lançamento do Programa Standart Brasil HVI (SBRHVI),          que irá integrar dados de todos os laboratórios de classificação de algodão do Brasil com o intuito de melhorar a qualidade do serviço prestado por esses laboratórios e, consequentemente, melhorar a imagem do algodão brasileiro nos países consumidores ao assegurar a qualidade dos dados de classificação que as indústrias têxteis consumidoras recebem.

Para o Vice-Presidente da AMAPA, Aurélio Pavinato, o evento serviu para que recebessem feedback do algodão brasileiro comercializado e quais as demandas da indústria têxtil.

O Conselheiro Fiscal da AMAPA, Aldo Tisott que também esteve em Liverpool, garante que uma das grandes preocupações é como atender a um mercado que fica cada vez mais exigente, ao mesmo tempo em que temos que competir com o poliéster e demais fibras sintéticas, cujo custo de produção e preço no mercado são sensivelmente menores.

Já para Filipe Mamede, representante de produtor associado à AMAPA, disse que o evento serviu para que se entendesse o cenário que se aproxima do mercado do algodão e ver os números dos especialistas de quais serão as principais tendências de produção e consumo de algodão no mundo para os próximos anos.

 

Deixe uma resposta