Indignados

Promotor de Justiça Carlos Róstão Martins Freitas, diz que deputados demonstram estar extremamente aborrecidos com membros do Ministério Público e do Poder Judiciário que estão “ousando” processar alguns figurões.

????????????????????????????????????

O Brasil acordou surpreso com o resultado da votação, na Câmara dos Deputados, do projeto sugerido pelo Ministério Público, que tratava das dez medidas de combate à corrupção.

Na calada da noite, aproveitando-se da comoção nacional em função do trágico acidente ocorrido na Colômbia, envolvendo a aeronave que transportava os jogadores do time da chapecoense, enquanto o povo chorava, o plenário da Câmara comemorava.

Os nobres deputados, num verdadeiro escárnio com a vontade popular (mais de dois milhões de pessoas assinaram a proposta encampada pelo Ministério Público), desfiguraram completamente o projeto original, criando um “monstrengo” que, em vez de penalizar os corruptos como se pretendia, acabou, na verdade, enquadrando juízes e promotores.

Suas excelências demonstraram, com essa excrescência, estar extremamente aborrecidas com membros do Ministério Público e do Poder Judiciário que estão “ousando” processar alguns figurões, entre eles, políticos claramente envolvidos em esquemas de corrupção, especialmente, com a operação lava-jato, que lhes tem tirado o sono e o sossego.

Com o nítido propósito, assim, de retaliar essas investidas, e legislando em causa própria, já que boa parte desses deputados são investigados, 313 parlamentares, debochando da opinião pública, altas horas da madrugada, aniquilaram a proposta contra a corrupção, dando lugar ao da “esculhambação”.

Há um fato nisso tudo, porém, que chama muito a atenção. O deputado autor da emenda que desfigurou a proposta inicial é, também, do Maranhão.

Diz-se “também” porque, não tem muito tempo, uma proposta de emenda constitucional que visava impedir o Ministério Público de investigar crimes foi apresentada por um deputado da bancada maranhense. Era a famigerada PEC 37, um incentivo a mais a impunidade da corrupção, rejeitada, felizmente, graças a articulação da sociedade e do movimento que tomou as ruas de todo o país.

Os maranhenses, entretanto, acabaram “pagando a conta”, sendo motivo de chacota nacional, vendo-se obrigados a ouvir muitos impropérios, especialmente, dos moradores do sul e sudeste do Brasil. Ninguém se espante, agora, se encontrarem, novamente, comentários nessas redes sociais do tipo: “Só podia ser do Maranhão”.

Quem nasceu no Maranhão, e conhece bem esse povo, sabe,  contudo, que os maranhenses não são tolos. Demonstraram nas ruas sua reprovação à PEC 37, e não haverão de ficar inertes, diante dessa nova investida contra a prerrogativa dos membros Ministério Público e do Poder Judiciário. Os maranhenses, estão, pois, exatamente, como a maioria do povo brasileiro: INDIGNADOS!

Deixe uma resposta